Trend to wear now: the corset exposed

All about skin care, summer and routines

Midi

The contrasts

How to style the army green dress: a modern classic

How to “denim”! The jeans you will wear everywhere

Diário de maternidade: Seja você, mas seja uma mãe “perfeita”

Diário de maternidade: Seja você, mas seja uma mãe “perfeita”


Dizem que a maternidade muda a pessoa. Com certeza há um fundo de verdade nisso, mas ultimamente eu só consigo pensar se consigo voltar a ser eu. Não imaginei que fosse tão fácil esquecer de sermos nós quando a vida fica tão atarefada, quase caótica.

As pessoas tendem a ser um pouco românticas em relação ao que é ser mãe. Como se a mulher virasse uma santa, uma Virgem Maria depois de parir um filho. Aquela idéia maluca de perfeição, a mulher perfeita, a mãe perfeita… aí vc tem que ser imaculada e sexy ao mesmo tempo… injusto né?

Mas advinha? Há pouco romantismo na imagem da mulher real, no dia a dia de uma mãe que não é da novela do Manoel Carlos. Agora por exemplo, enquato eu escrevo meu filho está dormindo no meu colo e ai me mim se me mexer bruscamente. Ele acorda e quer peito, porque chupeta ele não curte, mas meu peito ele ama. Eu estou morta de dor de cabeça, exausta, mau humorada e ao mesmo tempo cheia de energia e amor pra ele. Prefiro deixar ele dormindo aqui e atualizar o blog.

Cada um tem seu jeito de cuidar, não adianta. Com certeza vai ter alguém lendo o parágrafi acima e pensando que eu não devo “mimar” ou fazer algo diferente. Mas meu bebê tem 3,5 meses, pra mim não é o momento de privá-lo do que ele quer.

Tudo bem, estou reclamando, Mas, mais do que uma reclamação, esse post é um choque de realidade pra qum acha que vida de mãe, blogueira (ou o que quer que me chamem por aí) é glamour o tempo todo. Glamour mesmo só a bijuteria que tô usando…

Quando eu tava grávida eu li muito. Como não tive muito tempo pra aprender – minha gravidez foi super curta – eu tentei achar posts/artigos que expressassem como seria de fato o dia a dia de um recém nascido e a mãe. Nada que eu li pôde realmente me preparar para o que estaria por vir. As pessoas focam muito em como os filmes nos ensiaram a ver as mães.

Meu bebê tem 15 semanas, 3,5 meses agora. Ao longo deste tempo eu tive os dias mais felizes e exaustivos da minha vida. Mikkèl é geralmente calmo e sempre um bebê feliz. Sorri facilmente e raramente chora. Mas recentemente as coisas mudaram um pouco. Seu corpo muda todos os dias, parece que suas gengivas estão se preparando para os dentes, ele está ficando mais consciente do qu está ao redor e tem sido muito mais interativo – o que é muito divertido para os pais babões que somos.

Ele está bastante avançado para sua idade, então agora passa pela “crise de 4 meses”. Ele tem estado mais dependente do que nunca, apenas dorme em cima de mim ou do pai, tem ficado muito agitado durante a noite. Parece que o fato de que nos mudamos para um novo apartamento desencadeou a crise por isso ele tem agido como se ele se sentindo inseguro.

Eu ouvi do psicólogo que essa crise acontece porque o bebê está mais consciente de si mesmo como uma pessoa. Ele percebe que ele não é mais uma parte do meu corpo e tem seu próprio corpo e alma (por assim dizer). A boa notícia é que é uma fase. Logo ele terá superado esta crise e mamãe estará mais feliz.

Tm sido uma jornada incrível. Embora eu nunca tenha estado tão cansada em toda a minha vida, eu nunca me senti tão completa. Meu coração derrama amor por ele. É um sentimento intenso e bem louco.

Eu também sinto que ainda consigo ser eu mesmo. Eu ainda trabalho, embora não tanto quanto eu acho que deveria, mas eu faço. Às vezes eu percebo o quão duro estou sendo comigo mesmo quando me culpo ou me sinto infeliz por não ser tão produtiva como eu queria. Algumas mulheres não conseguem trabalhar. Muitas das minhas realizações são devido ao fato de que meu marido também participa. Algumas pessoas dizem, “oh ele te ajuda muito”. Ele está ajudando, mas não eu especificamente, ele está ajudando a família.

Isto é para todas as mulheres que me lêem agora: você é forte e tem direito a obter ajuda. O pai que participa das tarefas das crianças não está ajudando você, ele está ajudando a família. Então não se sinta culpada ou sortuda, encare com normalidade, é assim que as coisas devem ser. Mas se lembre de elogiar, agradecer e apreciar, claro.

—-

 

Minha amiga Anna me perguntou se eu queria modelar com o Mikkèl no projeto de arte dela. Ela falaria sobre a liberdade de amamentar e as mudanças que passei. Desde que eu venho do Brasil, onde amamentar em público não é bem visto em toda parte, e eu descobri tão tarde sobre a minha gravidez, ela pensou que eu seria o tema perfeito para o tema.

Falamos sobre isso e ela fez algumas fotos com um pouco de direção dela, respeitando minha personalidade e opiniões sobre o tema. Eu adorei os resultados. As fotos ficaram boas e fiéis aos meus pensamentos.

Dar a luz ao meu menino forte e amamentá-lo são a coisa mais poderosa e incrível que meu corpo fez por mim. Não há razão para que eu não tenha orgulho disso.

Photos: Anna Saertereie
gisella-francisca-amamentacao

O jogo da espera

O jogo da espera

 

Ganha quem mantiver-se calmo e puder controlar melhor a ansiedade e expectativa. Parece que eu preciso trabalhar forte pra vencer.

Até hoje já passaram 6 dias da minha data de parto. Essas datas não são exatas mas servem pra dar um norte no acompanhamento na gravidez. Considerando que no meu caso, com essa gravidez tão atípica (pra ser eufêmica), pode ser que eu não possa nem contar com essa data prevista. Já sabe de como foi a “descoberta”? Veja mais aqui.

(mais…)

A relatividade do “Quantos anos você tem?”

A relatividade do “Quantos anos você tem?”

Já me perguntaram algumas vezes o que é beleza pra mim. Claro que existe um senso comum, mas eu mudo de resposta de acordo com como estou me sentindo naquele dia. É isso é excelente. Ora, se beleza é um estado de espírito, uma condição emocional; Se beleza vem de dentro, como não mudar em relação a como estamos nos sentindo no momento?

E pra mim beleza vem de dentro mesmo. Não só aquela máxima de “ser bonita por dentro e por fora”, mas de fato se sentir bonita sendo quem somos. Explico: tem dia que eu me sinto mais ou menos bonita. Tem dia que eu me arrumo mais, tem dia que o make fica melhor, essas coisas que variam. Mas eu tô falando aqui da se sentir bonita de verdade. Aí o buraco é bem mais embaixo.

Pra mim, me sentir bonita de verdade é estar em sintonia com sua mente e seu corpo, criando uma condição emocional de alta admiração por você. E isso veio com os anos. Hoje tenho 33 anos. E sigo repetindo que me sinto bem mais bonita agora do que quando tinha vinte anos. Mas como? Se há dez anos minha pele era mais rígida, tinha menos marcas, meus seios mais firmes e o colágeno reinava? Muito simples, hoje, eu sei muito mais sobre mim e meu papel na sociedade.

Os trinta anos causaram um efeito de maior auto conhecimento e auto respeito. Mas, principalmente, de maior admiração pessoal. Veja, eu sempre me gostei, dias mais, dias menos, mas o balanço era sempre positivo. Ao passar dos anos, com o desenvolvimento da minha vida de acordo com o que eu planejei e trabalhei para, olhar no espelho e sentir orgulho do que eu vejo me faz me sentir linda, bem poderosa e capaz de mover o mundo ao meu redor.

Eu olho em volta, vejo minha família, meus amigos, meu trabalho, minha casa… olho no espelho e credito a mim ter chegado num ponto de satisfação com quem eu sou. Isso é beleza. Isso traz admiração pessoal. E funciona mesmo. É exercício. É foco no que você tem e faz acontecer. Foco na sua força e no que você consegue movimentar na sua vida. E sim, de novo, isso vem com a idade.

Envelhecer ninguém quer. É porque a palavra vem carregada de abandono. Quase que significa deixar de ser bonita para ser velha, de novo o padrão de beleza, né?  Não penso assim. Amadurecer e viver com minhas marcas e expressões são uma parte bonita do ciclo da vida. E nesse ciclo, eu me sinto bela, realizada e capaz de muito muito mais. Se já me sinto assim, me preparo para a bomba de auto estima que vem por aí quando eu der a luz ao meu menino tão abençoado.

E muitas coisas na vida melhoram com a experiência. Por isso que o conceito do tempo pode ser tão relativo e estar muito mais a nosso favor do que somos levadas a acreditar. Tempo ou idade são perspectivas pessoais e podemos ser o que e como quisermos, seja com 20, 30 ou 50 anos.

Estar de bem com quem você é e com os efeitos da passagem do tempo não significa não estar se cuidando. Mente, corpo, tudo. Há algumas semanas comecei a usar uma linha nova pro meu rosto, pescoço e mãos. Já tinha ouvido falar do Advanced Genifique da Lancôme mas nunca tinha usado. É um serum que eu uso de manhã e de noite, todo dia certinho. Uso depois o creme de dia ou de noite. Eu senti bastante diferença em relação à luminosidade e tonalidade mais uniforme na minha pele. Realmente vale a pena e eu vou continuar usando porque tá me dando resultado. Gosto de ver que minha pele está mais luminosa.

O efeito de um produto que tem resultado, como esse, ajuda muito a dar aquela maximizada na beleza que sim, vem de dentro, vem da admiração pela mulher que somos e por tudo que somos capazes de fazer acontecer nas nossas vidas e nossas comunidades. Lembra o que falei acima, é exercício diário. Vamos praticar? Como você se sente em relação a sua idade e sua beleza nesse contexto que escrevi?

Use a hashtag #lancomeloveyourage pra gente conversar.

#ad #autoestima

 


 

Pin It on Pinterest